terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Pormenores


Nunca cansei de reparar
nos olhos, nos gestos,
na boca, nas mãos,
no meu proximo como um todo,
quando duelos comigo estes travam.
Nunca deixei de me encantar
com sorrisos, braços abertos,
olhares sonhadores, abraços.
No que ouço, no que falo,
no que me ouvem, no que me tocam.
Da cumplicidade, da confiança,
da amizade, da ternura.
Do que sou eu, de quem são eles,
Da sensibilidade.


Um comentário:

Manelchen disse...

Hum... É poetisa também? Mais um pormenor... Interessante!
:***