sábado, 2 de outubro de 2010

PEQUENA PROSA IDÍLICA

"Quem sou eu para falar de amor
Se de tanto me entregar nunca fui minha..."

(Chico Buarque - Tango de Nancy)


Se alguém fala em amar mais ou amar menos, na verdade deve incomodar-se por não amar. O amor não se presta à dubiedade da quantificação - ou você ama ou não ama. Nunca vi ninguém falar que ama pela metade, assim como nunca soube de um bem-querer que fosse condicional ou de um desejo que pudesse ser representado em porcentagens.

Sentimentos não exigem justificativas, não se dobram às vontades de seus donos (ou vítimas, diriam os pessimistas), não surgem nem morrem nos momentos oportunos - eles são.

Minhas palavras não têm a dureza de quem renega o afeto, mas há muito já se afastam da inocência dos que seguem ideais românticos. Cuida-te em nunca confundir permissão com permissividade, é o único conselho lúcido que esta teimosa aqui pode lhe dar, meu amigo, não há nada mais perigoso do que perder-se de si mesmo, o caminho é sem volta.

Tenho vontades que não escondo e tenho princípios que sigo mais por instinto do que por precaução, mas nem com tudo isso me arrisco numa definição.

- Sobre o amor, eu nada sei.

Respondi com certo desdém, gesticulando. Meus dedos afrouxaram-se, deixaram escapar qualquer abstração que seguiu ao encontro da fumaça que, liberta do seu cigarro, manchava o ar de um fim de noite quente - a única certeza que eu tinha era a de que nunca seria fácil.

5 comentários:

A. D. disse...

esse primeiro paragrafo está perfeito, a moça anda apaixonada? faz bem

aperitivopoético disse...

Aline, não sabia que você escrevia e tão bem assim. Fiquei emocionada. Lindo! Parabéns!

Beijocas!

Brenda.K disse...

vitimas,seria o mais apropriado(risos)
adorei texto,alias não achei escritos ruins nesse Blog(por isso sigo)hehe
beijos :)

Jorge Sader Filho disse...

Aline, nesta você demonstrou a força que tem sua pena!
Não me assustou, sempre soube da sua capacidade, que pude ver no Mural dos Escritores.
Você sabe disto...

Beijos,
Jorge

Rubens da Cunha disse...

obrigado pela visita ao Casa de Paragens.
abraços